A propósito da crise

Palavras de João Paulo II em Santiago de Compostela (9-IX-1982):

“A história da formação das nações europeias anda a par com a sua evangelização; a tal ponto que as fronteiras europeias coincidem com as da penetração do Evangelho. Passados vinte séculos de história, apesar dos conflitos sangrentos que enfrentaram os povos da Europa, e apesar das crises espirituais que marcaram a vida do continente — chegando a trazer à consciência do nosso tempo sérias dúvidas sobre a sua sorte futura — deve-se afirmar que a identidade europeia é incompreensível sem o cristianismo, e precisamente nele se encontram aquelas raízes comuns, que permitiram o amadurecimento da civilização do continente, a sua cultura, o seu dinamismo, a sua atividade, a sua capacidade de expansão construtiva também nos outros continentes; numa palavra, tudo o que constitui a sua glória.

E ainda nos nossos dias, a alma da Europa permanece unida porque, além da sua origem comum, tem idênticos valores cristãos e humanos, como sejam os da dignidade da pessoa humana, do profundo sentimento de justiça e liberdade, de laboriosidade, de espírito de iniciativa, de amor à família, de respeito à vida, de tolerância e de desejo de cooperação e de paz, que são traços que a caracterizam.

Dirijo o meu olhar à Europa como continente que mais contribuiu ao desenvolvimento do mundo, tanto no terreno das ideias como no do trabalho, no das ciências e das artes. E enquanto bendigo o Senhor por tê-lo iluminado com a sua luz evangélica desde as origens da pregação apostólica, não posso silenciar o estado de crise no qual se encontra, ao assomar-se o terceiro milénio da era cristã.

(…) A crise alcança tanto a vida civil como a religiosa. No plano civil, a Europa encontra-se dividida. Umas fraturas anti-naturais privam os seus povos do direito de se encontrarem todos reciprocamente num clima de amizade; e de reunir livremente os seus esforços e criatividade ao serviço de uma convivência pacífica, ou de uma contribuição solidária para a solução de problemas que afetam outros continentes. A vida civil encontra-se marcada pelas consequências de ideologias secularizadas, que vão desde a negação de Deus ou a limitação da liberdade religiosa, à preponderante importância atribuída ao êxito económico relativamente aos valores humanos do trabalho e da produção; desde o materialismo e o hedonismo, que atacam os valores da família fecunda e unida, os da vida recém concebida e a orientação moral da juventude, a um «niilismo» que desarma a vontade de enfrentar problemas cruciais, como os dos novos pobres, emigrantes, minorias étnicas e religiosas, ou o recto uso dos meios de informação, ao mesmo tempo que põe armas nas mãos do terrorismo.

Advertisements

About José Miguel Correia Pires

Teacher & Physics Engineer
This entry was posted in Actualizações. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s